top of page

Projeto Blue Book: investigava ovnis ou encobria avistamentos?


cartaz de apresentação da série Projeto Blue Book, onde J Allen Hynek e o Coronel Marcell olham para o horizonte em um deserto com montanhas, com um disco voador caído e pegando fogo.

O Projeto Blue Book foi uma iniciativa da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) para oficialmente investigar relatos de avistamentos de objetos voadores não identificados (UFOs), também conhecidos como OVNIs (Objetos Voadores Não Identificados).


Operando por quase duas décadas, o projeto foi o terceiro e mais bem documentado programa oficial da Força Aérea dos EUA voltado para o estudo de UFOs. Neste artigo, exploraremos a história, objetivos, métodos e resultados do Projeto Blue Book, bem como seu impacto na cultura popular e na percepção dos OVNIs.


Origens e História do Projeto Blue Book


O Projeto Blue Book teve suas raízes no Projeto Sign, iniciado em 1947, após o famoso incidente de Roswell. O Projeto Sign foi criado para investigar relatos de OVNIs que aumentaram significativamente após o final da Segunda Guerra Mundial. Em 1949, o Projeto Sign foi substituído pelo Projeto Grudge, que manteve uma abordagem cética e pouco científica em relação aos UFOs.


Finalmente, em 1952, o Projeto Blue Book foi lançado como uma evolução do Projeto Grudge. Sua missão oficial era "investigar e analisar relatos de OVNIs de forma científica e minuciosa".


O projeto foi baseado no Centro de Treinamento e Comando da Força Aérea em Wright-Patterson, Ohio, e foi supervisionado pelo Escritório de Inteligência Técnica da Força Aérea.


Objetivos e Métodos


Os objetivos principais do Projeto Blue Book eram os seguintes:

Determinar se os OVNIs representavam uma ameaça à segurança nacional.

Analisar os dados cientificamente para entender a natureza e a origem dos relatos de OVNIs.


Desenvolver uma explicação para os avistamentos de OVNIs, caso fosse possível.

Para alcançar esses objetivos, a equipe do Projeto Blue Book, que contava com um consultor civil, o cientista e astrônomo Dr. J. Allen Hynek.


Para buscar respostas eles empregaram métodos de investigação que incluíam entrevistas com testemunhas, análise de fotografias e filmes, coleta de dados atmosféricos, avaliação de radares e outras tecnologias disponíveis na época.

Eles também cooperaram com outras agências governamentais e universidades para obter insights adicionais.


A visão de J. Allen Hynek sobre o Projeto


Foto do  Dr. J. Allen Hynek segurando um documento com a foto de um disco voador em uma entrevista para a imprensa.

O Projeto Blue Book, além de contar com militares, também contava com um cientista como consultor, o astrônomo Dr. J. Allen Hynek, que fez severas críticas sobre a condução das investigações. Em um relatório de 1968, Hynek apontou que a equipe não possuía um preparo científico necessário para conduzir o projeto.


Além disso, Hynek destacou a inexistência de um diálogo significativo entre a equipe e pesquisadores externos, bem como considerou os métodos estatísticos utilizados pelos membros do projeto como uma piada.


Ele também acusou o último diretor do Blue Book, Hector Quintanilla, de adotar a abordagem de descartar qualquer evidência contrária à hipótese que ele defendia. A impressão que tinha era de que os militares queriam utilizar o projeto para desencorajar e desacreditar qualquer evidência que alegasse a existência de ovnis e extraterrestres.


Um exemplo ilustrativo ocorreu em 1965, quando um meteorologista, a polícia e funcionários da Base Aérea de Tinker, todos em Oklahoma, detectaram quatro objetos voadores estranhos em um radar climatológico.


No entanto, seguindo as orientações de Quintanilla, a equipe do Projeto Blue Book apresentou um relatório alegando que as testemunhas tinham visto, na verdade, o planeta Júpiter, mesmo este não sendo visível no céu naquela ocasião. As desculpas insatisfatórias como essa foram tantas que os membros do programa chegaram a ser convocados para um interrogatório no Congresso americano. O chamado Painel Robertson.


Resultados e Conclusões


Durante suas quase duas décadas de operação, o Projeto Blue Book investigou milhares de relatos de avistamentos de OVNIs. A maioria desses casos foi considerada facilmente explicável como fenômenos naturais, avistamentos de aeronaves ou erros de identificação, o que foi duramente criticado por Allen Hynek por não espelhar a verdade. No entanto, um pequeno número de casos permaneceu classificado como "não identificado", o que significa que não havia uma explicação convencional óbvia para esses eventos.


Em dezembro de 1969, o Projeto Blue Book foi oficialmente encerrado e suas atividades cessaram. O motivo oficial para o encerramento foi que não havia nenhuma evidência de que os OVNIs representassem uma ameaça à segurança nacional e que não havia valor científico significativo em continuar as investigações.


Controvérsias e Críticas


O Projeto Blue Book enfrentou críticas ao longo de sua existência. Alguns alegaram que o projeto tinha uma abordagem cética desde o início e estava mais interessado em desacreditar relatos de OVNIs do que em conduzir investigações objetivas. Alegações de encobrimento e conspiração também surgiram, acreditando-se que a Força Aérea estava ocultando informações sobre os OVNIs.


Impacto na Cultura Popular


Imagem do seriado Blue Book, onde  Dr. J. Allen Hynek observa um extraterrestre dentro de uma câmara criogênica em uma sala escura.

O Projeto Blue Book e seus relatórios alimentaram a imaginação popular em torno dos OVNIs. Livros, filmes e séries de televisão foram inspirados nas investigações de OVNIs realizadas pelo projeto. A cultura popular frequentemente retrata o Projeto Blue Book como uma tentativa de ocultar a verdade sobre a existência de vida extraterrestre e OVNIs.


Conclusão


O Projeto Blue Book permanece como um marco importante na história da pesquisa oficial de OVNIs nos Estados Unidos. Embora a maioria dos casos tenha sido explicada de forma convencional, ele também gerou discussões sobre a presença de vida extraterrestre e os limites da investigação científica em relação aos fenômenos aéreos não identificados.


O debate sobre OVNIs e vida extraterrestre continua até hoje, com muitos defendendo a necessidade de mais pesquisas científicas sérias e abertas sobre o assunto. O que atualmente vem ocorrendo de maneira paulatina como por exemplo o Projeto Disclosure.


Comments


bottom of page